Alunos Online - Trabalhos Escolares e Educação




Esqueci minha senha

A Descoberta da Radioatividade

A descoberta da radioatividade se deu de forma gradativa e representou um salto para o conhecimento da estrutura da matéria

Em 1895, o cientista alemão Wilhelm K. Röentgen (1845-1923) descobriu de modo acidental a existência dos raios X, que receberam esse nome por ainda serem muito misteriosos. Ele estava fazendo experimentos com a ampola de Crookes, que é um tubo de vidro vedado no vácuo, com um gás sobre baixa pressão e submetido a um campo magnético externo.

Quando Röentgen desligou as luzes e ligou a ampola, raios vindos da ampola cruzaram o ar e fizeram brilhar um papel tratado com platinocianeto de bário, um material fluorescente. Ele fez vários testes e descobriu que era possível sensibilizar uma chapa fotográfica com os raios X. Tanto que foi possível que ele visse a impressão dos ossos de sua mão e de sua aliança.

A maior surpresa de Röentgen foi verificar que os raios X permitiam visualizar os ossos de sua mão.

Antoine Henri Becquerel (1852-1908) também passou a trabalhar com materiais fluorescentes, para descobrir se eles também emitiam raios X. Porém, o que ele acabou descobrindo, em 1896, foi que os minérios com os quais ele estava trabalhando, que eram o sulfato duplo de potássio e a uralina di-hidratada (K2UO2(SO4)2 . 2 H2O), conseguiam impressionar um filme fotográfico na ausência de luz solar, sem precisar estar fluorescente. Portanto, ele concluiu que essa propriedade não era equivalente aos raios X de Röentgen.

Com a ajuda dos cientistas Pierre Curie (1859-1906) e sua esposa Marie Curie (1867-1934), Becquerel descobriu que essa propriedade era característica não só da uralina, mas de todos os compostos que tinham em sua constituição o elemento urânio. Dessa forma, soube-se que o urânio era um elemento que espontaneamente emite radiação. E foi dada a essa propriedade a denominação radioatividade.

Esse mesmo casal estudou incessantemente as propriedades da radioatividade e juntos acabaram por descobrir outros elementos muito mais radioativos que o urânio. Esses elementos são o polônio e o rádio.

Tempos mais tarde, Ernest Rutherford (1871-1937) realizou experimentos com um material radioativo, conforme o esquema abaixo:

Esquema do experimento de Rutherford feito com radiação vinda do núcleo de material radioativo.

Nesse experimento ele descobriu que quando as radiações emitidas por um material radioativo são submetidas a um campo eleltromagnético externo, consegue-se três emissões radioativas diferentes que foram designadas pelas letras gregas alfa (α), beta (β) e gama (γ):

Partícula alfa (α): concluiu-se que era de massa elevada e de carga positiva, pois se desviava no sentido da placa carregada negativamente. Hoje sabe-se que as partículas alfa são compostas de dois prótons e dois nêutrons. Como os prótons são positivos e os nêutrons não têm carga, essa partícula é positiva.

Partículas beta (β): como se desviaram no sentido da placa carregada positivamente, foram consideradas como partículas negativas. Sua carga é negativa porque a radiação beta é na verdade um elétron expulso pelo núcleo.

Partículas gama (γ): como não apresentou desvio nenhum, concluiu-se que essa partícula é neutra, isto é, não possui carga elétrica. Atualmente, sabe-se que na realidade as emissões radioativas gama não são partículas, mas sim ondas eletromagnéticas.


Por Jennifer Rocha Vargas Fogaça
    Deixe seu comentário para "A Descoberta da Radioatividade"


    DESTAQUES
    Confira os destaques abaixo

    ..................................................

    Geografia do Brasil
    Acesse os aspectos da industrialização do Brasil.

    ..................................................

    Educação Física
    Leia a respeito da prática da esgrima.

    ..................................................