Alunos Online - Trabalhos Escolares e Educação




Esqueci minha senha

Laqueadura

A laqueadura promove o isolamento das tubas uterinas, impedindo o encontro entre os gametas

A laqueadura, também chamada de ligadura de tubas uterinas, é um procedimento de esterilização feminina que consiste no isolamento de cada uma dessas estruturas em duas partes, evitando o encontro dos gametas masculinos e femininos. Assim, ela apresenta um índice de concepção menor do que 1%.

Tal técnica pode ser feita através da secção, amarradura de fio inabsorvível, ou inserção de anel de plástico ou clips de titânio nas tubas uterinas; e, para tal, são adotados procedimentos cirúrgicos. Em muitos casos, é aproveitado o corte feito para a realização da cesárea para que a laqueadura seja feita logo em seguida. Outras maneiras de realizá-la são por meio da laparoscopia, ou de forma intrauterina, feita a partir da dilatação de tal órgão. Em todos os casos, o procedimento dura cerca de 40 minutos, e é necessária a internação por pelo menos um dia, e uma semana e meia de repouso.

Poucos centros de saúde realizam a reversão de tal método, denominada salpingoplastia, e a fila, pelo SUS, é muito grande, uma vez que os hospitais dão preferência a pessoas com problemas de saúde. Tal cirurgia pode ser feita somente em cerca de 70% dos casos, e nem sempre garante o sucesso esperado. Além disso, caso a salpingoplastia seja bem-sucedida, as pacientes demoram cerca de nove meses para engravidar, e há um aumento significativo no risco de se desenvolver uma gravidez ectópica.

Diante disso, a Lei nº 9263, de 1996, assegura que somente mulheres maiores de vinte e cinco anos, ou com pelo menos dois filhos vivos, podem recorrer a esse processo. A laqueadura também pode ser autorizada àquelas com problemas de saúde que, em caso de gravidez, podem desenvolver complicações, tais como: hipertensão grave, diabetes descompensada, tromboembolismo, anemia falciforme e aneurisma; sendo cada caso analisado pelo comitê de ética, a fim de validar ou não o pedido.

Além de obedecer a tais regras, a mulher deve, ainda, assinar um termo de compromisso, após receber informações relativas ao risco que corre os efeitos colaterais da cirurgia, os desafios da reversão e outras formas de contracepção que poderiam ser adotadas. Mesmo assim, ela terá o prazo mínimo de dois meses para realizar a cirurgia, podendo abdicar de tal ideia a qualquer momento.

Assim, a mulher (ou casal) que deseja recorrer a esse método deve ponderar essas questões, pois, apesar de todos os critérios definidos pela referida Lei, é muito grande o índice de arrependimentos. Na grande maioria dos casos, a mulher tem um novo parceiro, e deseja ter filhos com ele. Outros motivos bem frequentes estão relacionados a mães que perderam seus filhos, e aquelas que melhoraram suas condições financeiras.

Vale lembrar que laqueadura não protege contra a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis. Os únicos métodos contraceptivos capazes de evitar a gravidez não planejada, e também tais doenças, são a camisinha masculina e a feminina.

Curiosidade:

O Brasil é o campeão no ranking referente à laqueadura: 40% das mulheres em idade reprodutiva passaram por esse procedimento; segundo a Organização Mundial de Saúde.

Importante:

Embora seja bastante raro, existe a possibilidade da laqueadura ser revertida espontaneamente.

Mulheres laqueadas ou que se submeteram à salpingoplastia, e cujas tubas uterinas perderam sua função, podem recorrer a técnicas de reprodução assistida.


Por Mariana Araguaia
    Deixe seu comentário para "Laqueadura"


    DESTAQUES
    Confira os destaques abaixo

    ..................................................

    Educação Artística
    Conheça os principais aspectos da arte pontilhista.

    ..................................................

    Redação
    Aprenda como redigir uma carta comercial.

    ..................................................